Artigos

A Revolução dos 6 BIOS

Friday, 16 de December de 2016

A Revolução dos 6 BIOS Durante quase 500 anos, a cana-de-açúcar foi considerada em suamaioria apenas como matéria-prima para a produção de açúcar. Nas últimas décadas, no Brasil, tambiem foi utilizada para a produção de etanol.

Assim, o design completo das usinas de cana-de-açúcar evoluiu muito nessa direção, utilizando o caldo da cana-de-açúcar como materia prima para a produção de açúcar e de etanol.

Recentemente, por motivos ambientais, econômicos e sociais, ou em outras palavras, por motivo de sustentabilidade, o mundo começou a buscar fontes de energía novas e mais limpas. Consequentemente, o interesse mundial pelo etanol cresceu de modo espectacular, devido às suas qualidades ambientais e também porque é produzido a partir de biomassa renovável.

Esta situação mudou a perspectiva da cana-de-açúcar: permitiu que alcançasse uma dimensão nova e superior, gerando novas empresas, derivadas de produtos tradicionais e novos.

O artigo A DSM— Usina Sustentável DEDINI - um novo conceito no design completo de usinas de cana-de-açúcar está publicado na íntegra, em inglês, na seção em inglês deste portal (identificada pela bandeirinhha no alto à esquerda da homepage).  Ele tem por objetivo mostrar como essa evolução está modificando e continuará influenciando todo o design da usina de cana-de-açúcar, considerando o desenvolvimento tecnológico e a evolução da sustentabilidade.

O documento descreve uma usina integrada de cana-de-açúcar com as mais avançadas inovações disruptivas, considerando as hierarquias tecnológicas de primeira, segunda e terceira gerações, em bioeletricidade, bioetanol e produção de biodiesel integrado. A sustentabilidade também está incorporada ao conceito da usina, resultando em uma solução atualizada para um design otimizado.

Em resumo, o documento tem o objetivo de mostrar a próxima usina de cana-de-açúcar, a DSM-Dedini usina sustentável, desenhada para atingir a máxima eficiência e sustentabiidade, produzindo seis bioprodutos, segundo uma estratégia denominada "A Revolução dos 6 BIOS".

Marcadores: etanol, cana-de-açúcar, sustentabilidade, biomassa, bioeletricidade